Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

Sobre ser mãe longe dos pais

O que tem de mais ser mãe longe da família? Algumas pessoas poderiam me perguntar, afinal há tantas mulheres que não têm família e são mães, não é?
É, observação pertinente e totalmente verdadeira, mas não é a minha realidade. Eu tenho mãe, pai e irmãos... só que estão há um oceano de distância. Claro que foi uma opção minha, mudar de país, assumir outra cultura como minha. Isso não invalida entretanto a falta que minha família me faz.
Costumo dizer que a maternidade é um momento único na vida de uma mulher, um momento mágico, mas é também um momento de inseguranças, de medos, de muito cansaço e ninguém melhor do que nossa mãe para nos apoiar e nos acalmar. Quando há uma boa relação entre mãe e filha, penso que não há mulher que não queira a mãe por perto neste momento; afinal, nossa mãe já passou pelos mesmos medos e inseguranças conosco e estamos cá, vivas e de boa saúde. Comigo não foi diferente. 
Eu sempre quis trazer meus pais para passear em Portugal. Meu pai não gosta de sair …
Mensagens recentes

Estomatite Aftosa: dor que passa dos limites

Dor da filha é dor no coração da mãe.
Quando engravidei não fazia a menor ideia que existiam tantas doenças terminadas com "ite" e menos ainda que minha filha teria praticamente todas! Estomatite Aftosa ou Estomatite Herpética é a nova doença da Pipopa. 
Trata-se de uma doença causada pelo vírus HSV-1e manifesta-se cerca de 5 a 7 dias após o contacto com pessoa infectada. O primeiro sintoma é a febre muito alta e vermelhidão na boca, incluindo bochecha, garganta e gengivas. As lesões depois se parecem com aftas e são extremamente dolorosas e contagiosas. 
No caso da Pipoca, após um dia em que ela supostamente esteve super bem, muito agitada e bem disposta, durante a noite teve febre que atingiu os 39º. Uma vez com febre durante a noite não acabou por ficar em casa com o pai que estava de férias. Liguei para a creche para avisar e disseram-me para observar porque há dias tinha uma miúda de outra sala que teve uma amigdalite aguda. 
De facto na manhã a seguir ao início da febr…

"Arte da nudez"

A sociedade está indo longe demais.
Apesar de não gostar muito de falar de assuntos polémicos, pois costuma gerar discussões que não levam a nada, após ler a notícia da interacção da criança com homem nu no museu, não consigo ignorar e ficar calada. 
Parece que a arte agora justifica tudo. 
Que a nudez seja considerada uma espécie de arte eu não discuto. Há muitos quadros, estátuas, fotografias, filmes, peças teatrais e por aí vai uma lista grande, que expõem a nudez e são sim considerados arte, de qualidade e valiosas. Agora que um homem  nu deitado no chão de uma sala de museu seja considerado arte, ah! Fala sério! Eu deitada nua no chão da minha casa também pode ser considerado arte, não? A diferença é que não tenho expectadores a pagar provavelmente uma nota preta para me ver ali, fazendo aquela figura triste.
A sociedade perdeu o pudor, a decência e a vergonha. Tudo tornou-se demasiado normal e quem não concorda é considerado racista, (...)fóbico, tirano... Sociedade hipócrita é…

Mais um mês... já são 21!

Hoje faz 21 meses que minha Pipoca me tornou mãe. 
21 meses de miminhos, beijinhos e muito, muito amor envolvido.
Também são 21 meses de muito sono, cansaço físico e psicológico.
São 21 meses de aprendizado acima de tudo. Ter uma filha mostrou-me que ao contrário do que as crianças pensam, nós pais não sabemos tudo; muito pelo contrário, estamos constantemente a aprender com eles. 
Aprendemos a ser tolerantes, pacientes e a ser criança novamente. Brincamos de boneca, carrinho, bola. Rolamos no chão, escorregamos num parquinho. Tudo, tudo para os ver sorrir.
Não há nada melhor neste mundo do que vê-los sorrir, ouvi-los sorrir. 
Sentir a suas mãozinhas na nossa face, os beijinhos... ah! Os beijinhos! A minha Pipoca demorou a começar a mandar beijos. Foi neste último mês e desde então, está uma beijoqueira comigo... tão bom!
Mas 21 meses também me fazem pensar como o tempo voa! Daqui três meses já serão 2 anos de Pipoca! Já dá saudades... as suas asinhas estão crescendo e daqui a nada va…

Banho: chororô ou festa?

Ultimamente, um tremento "chororô"!
Ela que gostava tanto de tomar banho! 
Em bebé era uma alegria cada vez que a púnhamos na banheira. Batia as perninhas, ria às gargalhadas e não tinha qualquer problema com água no rosto.
Muitas vezes passava um tempão na banheira brincando com potinhos, peixinhos e o sapo de borracha. Chororô era na hora de sair... 
Como a banheira foi ficando pequena, passamos a dar banho de duche mesmo. Inicialmente ainda enchia um pouco a nossa banheira só para ela não se assustar e com o passar do tempo e a chegada do verão optamos só pelo duche.
Não sei dizer ao certo quando o banho deixou de ter graça e se tornou uma tortura para ela, só sei que ultimamente colocá-la na banheira, principalmente com sono, tem sido um terror. Acho que se os vizinhos não tivessem filhos iriam chamar a Segurança Social. 
Para amenizar esta "tortura", temos tomado banho juntas. Mesmo assim para entrar na banheira há sempre choro, principalmente quando temos qu…

Terror noturno

Foram uns sustos valentes. Acreditem, é provavelmente uma das situações mais desesperadoras por que passamos durante algumas noites, pelo menos até descobrirmos do que se tratava: o tal "terror noturno".
Quem acompanha o blog sabe que existiu uma fase em que a Pipoca só aceitava a mãe durante a noite, em que se fosse o pai a lá ir era um verdadeiro berreiro. Pois bem, a primeira vez que presenciamos um ataque de terror noturno da Pipoca pensamos que era uma situação destas: ela gritava e esperneava enquanto o pai tentava acalmá-la. Quando percebi que ela não se acalmava fui lá "acudir"; mas ela continuava se debatendo; quanto mais que eu falava com ela e tentava envolvê-la nos meus braços mais ela gritava e esperneava, a ponto de a colocarmos no chão e ela continuar. Tentamos dar-lhe a chupeta, o leite, água e nada.Voltamos a pô-la na cama e ela simplesmente acalmou, do nada; virou-se para o lado e estava a dormir. Foi horrível, assustador. Ficamos a olhar um para…

Brinquedos comprar ou não comprar?

Brinquedos? Não... prefiro Tuperwares!

Essa seria a resposta da minha Pipoca há algum tempo. Ah... e livros! Mas as caixinhas de plástico do meu armário são, de longe,  a maior diversão.
Eu já tinha mais ou menos essa noção, que bebés por norma gostam mais de brincar com qualquer coisa do que com brinquedos, mas agora  tenho a confirmação.
Acho que consigo contar nos dedos os brinquedos que comprei. Ter primos mais velhos e tias fixes dá nisto: herda-se muita coisa. Vou ser sincera, quando olho para o cantinho dela até acho um exagero, pois ela praticamente não liga aos brinquedos. Metade deles se não estivessem lá não fariam falta, mas é aquela história, já que temos, vamos utilizar. Tem peluches, carrinhos, bolas, legos, entre outros brinquedos para a idade dela. Não é que não brinque, mas não se prende a eles.
A Pipoca gosta muito de um conjunto de 8 caixinhas que se encaixam dentro umas das outras. No início ela só sabia desencaixá-las. Depois aprendeu a encaixar, a empilhar e ago…

Número total de visualizações de página